Amália Pereira

Amália Pereira

Atriz, Jornalista e Produtora Profissional atuando na área desde de 1992, . Participou de Diversos Cursos e Oficinas de Aprimoramento na Área, entre eles: Núcleo Musical do Tijolo, com William Guedes; Laboratório Dramático, com Antônio Januzelli, no Itaú Cultural; Curso de Bufão, com Roberta Calza; Treinamento para o Ator, com Mônica Granndo; Curso Voz e Saúde, com Edmo Perandin, no Sesc Consolação; Curto Circuito, Novos Olhares e Velhos Problemas e Uma viagem pelo Teatro Universal, com Alexandre Matte, no Sesc Consolação; CPT – Centro de Pesquisas Teatrais, com Juliana Galdino, no Sesc Consolação; Interpretação para atores em cinema; com Mônica Lazar; Técnicas de Interpretação, com Sara Larocca (Grupo El Galpon, do Uruguai); Projeto Construção: Ciclo de Aprendizagem sobre o Teatro Moderno no Brasil, com Alexandre Matte (Teatro Moderno no Brasil), Luís Alberto de Abreu (Dramaturgia) e Reginaldo Nascimento (Técnicas de Interpretação); Jogo Teatral da Peça Didática de Brecht e Ato Artístico Coletivo, com Ingrid Dormien Koudela; História do Teatro Brasileiro e Breve Panorâma do Teatro Ocidental, com Alexandre Matte. Participou de vários outros cursos, workshops e palestras com profissionais como Luís Alberto de Abreu, Sebastião Milaré, Elizabeth Hartmann, Alexandre Matte, Mônica Lazar, Ingrid Dormien Koudela, Gerald Thomas, Márcio Aurélio, Cristiane Paoli Quito, Jayme Compri, Gabriel Villela e Darcy Figueiredo, entre outros. Fundou o Teatro Kaus Cia. Experimental junto com o diretor Reginaldo Nascimento, que a dirigiu nos espetáculos: Contrarrevolução, de Esteve Soler; Hysterica Passio e O Casal Palavrakis, ambos de Angélica Liddell, O Grande Cerimonial, de Fernando Arrabal, Infiéis, de Marco Antonio de la Parra (2006 a 2009), A Revolta, de Santiago Serrano (2007), Vereda da Salvação, de Jorge Andrade (2004/2005), Oração para um Pé de chinelo (2000 a 2002) e Homens de Papel (1996 a 1998), ambas de Plínio Marcos, O Santo e a Porca, de Ariano Suassuna (2002) e O Cocô do cavalo do bandido, de Chico de Assis (2002). Atuou ainda nas peças Bailei na Curva, de Júlio Conte, com direção de Brígido Vieira (1995), A Casa Fechada, de Roberto Gomes, com direção de Conrado Kawasaki (1994) e A Terceira Margem do Rio, de Guimarães Rosa, com direção de Milton Ferreira (1992). Com a peça Homens de Papel recebeu prêmios e indicações de melhor atriz em vários festivais de teatro. Em Cinema participou como Atriz nos Filmes: Os Sons do Divino (16mm), de Claudia Pinheiro, Direção: Claudia Pinheiro, Produção: Filmes de Abril, São Paulo (2009); Vídeo Adalgisa, de Alex Genari, Direção: Carlos Azevedo, Produção: Ponto Comunicação, São Paulo (2006); Filme Presságio (16mm),e Marcelo Magano, Direção: Marcelo Magano. Produção: Núcleo de Cinema e Vídeo Ethos, São José dos Campos (1997). Participação no 32o Festival de Cinema de Brasília, na mostra competitiva 16mm (1999).