TEATRO KAUS CIA EXPERIMENTAL

CURRÍCULO

2018 – Contrarrevolução, Esteve Soler: Estreou em agosto de 2018 na Oficina Cultural Oswald de Andrade, sala Anexo, onde fez 24 apresentações, dentro a programação do projeto Teatro Kaus – Da América Latina à Espanha – Dez anos de dramaturgia hispânica.  

2017 * 2018 – “Da América Latina à Espanha – Dez anos de dramaturgia hispânica” – Fomento ao Teatro: Em abril de 2017, o Projeto Teatro Kaus – Da América Latina à Espanha – Dez anos de dramaturgia hispânica, idealizado pela atriz Amália Pereira, para manutenção da pesquisa da Cia, foi beneficiado pela 30ª edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo. De agosto de 2017 a setembro de 2018, foram realizados um ciclo de debates, um ciclo leituras de dramaturgia hispânica, temporada da peça Hysterica Passio e estreia e temporada da peça Contrarrevolução.  Em setembro de 2018, encerrado as atividades do projeto, o Kaus lançou o livro Teatro Kaus – Da América Latina à Espanha – Dez anos de dramaturgia hispânica, um registro documental de todas as ações do Projeto, contendo quatro textos inéditos do autor Esteve Soler, além da trajetória do grupo. O livro foi lançado pela Lamparina Luminosa, 1500 exemplares, distribuídos gratuitamente.

2016 – “Revista Hysterica Passio” – Prêmio Zé Renato: A Revista Hysterica Passio fez parte das ações do projeto de circulação da peça Hysterica Passio, contemplada pela 3ª Edição do Prêmio Zé Renato de Teatro. A revista traz o texto da peça traduzido, artigos escritos pelos debatedores convidados, além de desenhos do cenário, figurinos e fotos da peça. Foram confeccionados 3.500 exemplares distribuídos gratuitamente para o público no dia das apresentações.

2015 * 2016 * 2017 – Hysterica Passio, Angélica Liddell: Estreou em outubro de 2015 no Espaço dos Parlapartões. No final do mesmo ano foi contemplado pelo Prêmio Zé Renato de Teatro para circulação, pelo qual se apresentou no  Circuito Cultural Paulista com apresentações nos finais de semana, de sexta a domingo nos meses de março e abril de 2016, nos Teatros (Zanoni Ferrite, Martins Pena, Alfredo Mesquita, Cacilda Becker, Centro Cultural São Paulo, Sala Adoniran Barbosa). Temporada na SP ESCOLA DE TEATRO SALA R1 de maio a julho de 2016, se apresentou no SESC Jundiaí em abril de 2016.  Em outubro de 2017 participou do Festival Cena Contemporânea de Brasília com sessões em Brasília, Gama e Ceilândia. Em novembro de 2016 se apresentou no SESC Bauru. Temporada na Oficina Cultural Oswald de Andrade em setembro e outubro de 2017, dentro da programação do projeto Teatro Kaus – Da América Latina à Espanha – Dez anos de dramaturgia hispânica.

2012 * 2013 * 2014 – O Casal Palavrakis, Angélica Liddell: Estreou em agosto de 2012 no SESC Consolação, Sala Beta. Espetáculo também fez temporada no Teatro Viga, Sala Piscina, de 5 de outubro a 4 de novembro. Em dezembro de 2012 se apresentou no SESC São José dos Campos. Temporadas no Studio Heleny Guariba em abril e de agosto a novembro de 2013. Realizou apresentações no Sesc São Carlos em agosto de 2013 e Sesc Ribeirão Preto em janeiro de 2014.

2010 – O Grande Cerimonial, Arrabal no Kaus: Em 12 maio de 2010, estreamos na Sala Experimental do Teatro Augusta, em São Paulo, O Grande Cerimonial, do Dramaturgo Fernando Arrabal, nossa primeira aventura arrabalesca, permanecemos em cartaz neste espaço até o dia 25 de julho. No segundo semestre de 2010 participamos de alguns festivais entre eles o Festival de Presidente Prudente, nFestivale em São José dos Campos e Festival de Vitória.  Em junho de 2011 o espetáculo realizou curta temporada no Teatro de Arena Eugênio Kusnet. Neste ano também iniciamos a pesquisa sobre a obra da dramaturga espanhola Angélica Liddell.

2009 – Arrabal em São Paulo, e no Kaus: Durante as nossas pesquisas para a realização do Projeto Fronteiras, ainda 2006 e 2007, nos encontramos com a obra do escritor, cineasta e psicólogo chileno Alejandro Jodorowsky, que juntamente com Fernando Arrabal e Roland Topor, criaram em 1962 o Movimento Pânico. Ali se iluminava mais uma porta para a inquietude do Kaus, chegávamos a Fernando Arrabal, o novo caminho que ainda não tínhamos clareza se seria o nosso, e esta resposta só veio em definitivo no ano de 2009. Depois de longos meses de conversas via email entre o Diretor Reginaldo Nascimento e o Dramaturgo Fernando Arrabal, surgiu e tomou forma o desejo de nos enveredarmos pela obra Arrabalesaca, ampliar o foco para a cena iberoamaricana.  Em agosto de 2009, realizamos a Mesa de Debates Um Certo Arrabal, no Instituto Cervantes de São Paulo, a convite do diretor Reginaldo Nascimento Fernando Arrabal, se fez presente, comemorou seus 77 anos aqui na cidade, o público foi presenteado com um debate que reuniu cerca de 250 artistas de teatro de várias gerações num mesmo espaço, juntos pensando o teatro de hoje, entre as muitas histórias deste genial autor. Ainda em 2009, iniciamos nosso processo de produção da peça O Grande Cerimonial, obra inédita do autor.

2009 – Reestreias: Em 2009, reestreamos Infiéis no Teatro X, em São Paulo, para fazer a última temporada da peça e assim fechar nosso ciclo com as obras da dramaturgia Latino Americana permanecemos em cartaz por 2 meses.

2008 –  10 Anos de Teatro Kaus: Em 2008, realizamos temporadas das peças El Chingo e Infiéis no Centro Cultural da Juventude-SP, além de participar de alguns festivais de teatro. Este foi um ano para colher os frutos plantados, apresentamos os trabalhos em espaços diferentes na cidade de São Paulo e outras cidades.

2007 – Kaus Internacional: Neste ano o Grupo Kaus convidado para apresentar a peça A Revolta na XVIII Temporales Internacionales de Teatro 2007, em Puerto Montt e na LIuvia de Teatro de Valdivia, ambas no Chile. O Grupo apresentou o espetáculo falando em espanhol, em três sessões nas duas cidades, com grande acolhida do público e da crítica local.

2006 * 2007 – Fronteiras “O teatro na América Latina”  – Fomento ao Teatro: Trabalhamos muito em 2005 e 2006, mantendo nossa pesquisa e prática com os textos da Dramaturgia Latino-Americana, e neste processo de trabalho intenso, em Agosto de 2006, o Projeto Fronteiras – O Teatro na América Latina, idealizado pelo Diretor Reginaldo Nascimento, para manutenção da pesquisa da Cia sobre novos dramaturgos da América Latina, foi beneficiado pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, o que possibilitou a Cia a realização do Ciclo de Debates – O Teatro na América Latina, evento que aconteceu no Instituto Cervantes de São Paulo e contou com a participação de dramaturgos da Argentina, Venezuela e Chile e Mexico, dramaturgos, diretores e pesquisadores do teatro brasileiro, além de uma oficina de dramaturgia e apresentações de espetáculos e a publicação de um livro. 

 Além dos ciclos de debates e dos encontros que movimentaram a cidade de São Paulo, dentro do Projeto Fronteiras foi criado e apresentado o Repertório do Kaus com as peças El Chingo, do venezuelano Edilio Peña, A Revolta, do argentino Santiago Serrano e a reestréia de Infiéis, do chileno Marco Antonio de la Parra. Com apoio da Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, o Teatro Kaus organizou, editou e lançou o Livro CADERNOS DO KAUS – O Teatro na América Latina, um registro documental de todas as ações do Projeto de estudos do grupo sobre o Teatro nestes países da América Latina, contendo os três textos encenados pela Cia, além de muitas outras informações destes 16 meses de ação. O livro foi lançado em novembro de 2007, pela Editora Scortecci, 1500 exemplares, distribuídos gratuitamente.

2005 * 2006 – Sangue Latino Americano: Ao final da temporada de Vereda da Salvação (2004), buscávamos novos caminhos para nossa pesquisa, para nossa prática cênica, e este desejo nos levou ao encontro da dramaturgia Latino Americana, um território desconhecido intrigante. Durante o ano de 2005, o grupo se dedicou à pesquisa de dramaturgia latino-americana, deste primeiro contato com os textos o grupo estreou em janeiro de 2006 o espetáculo Infiéis, do dramaturgo Chileno Marco Antonio de la Parra, que ficou em cartaz no Centro Cultural São Paulo, Sala Paulo Emílio e depois seguiu em temporada no Teatro Sergio Cardoso, sala Paschoal Carlos Magno.

2003 * 2004 – A Vereda do Teatro Kaus: Durante o ano 2003 Reformulamos o grupo para montagem do espetáculo Vereda da Salvação, de Jorge Andrade, trabalho que apresentou formalmente o grupo Kaus ao teatro e ao público paulistano. O espetáculo estreou em 2004, no Espaço Galpão Cinco, fez uma longa temporada neste espaço alternativo, com grande sucesso de público e crítica, e em 2005, reestreou para uma temporada no espaço Cênico Ademar Guerra, no Centro Cultural São Paulo.

2001 * 2002 – Chegando em São Paulo, Novos ares, O recomeço: Em novembro de 2001, em busca de novos desafios, o Teatro Kaus se muda para a cidade de São Paulo, fixa residência na capital paulista, se associa à Cooperativa Paulista de Teatro e reestréia a peça Oração Para um pé de Chinelo no espaço Cênico Ademar Guerra, no Centro Cultural São Paulo. De casa nova, inicia-se um processo de estudos para definição dos novos rumos do grupo, durante os anos de 2001 e 2002, os criadores do Kaus mergulharam em um intenso processo de estudos, mapeando textos e autores para futuras montagens. Trabalharam ainda para reformular e fazer o grupo conhecido na cidade de São Paulo.

2000 – Brasil em Cena: Em 2000, o Teatro Kaus realizou o projeto Brasil em Cena, uma Trilogia do Teatro Nacional, beneficiado pela (LIF) Lei de Incentivo de São José dos Campos, com patrocínio da Kone Elevadores. O Projeto consistia na conclusão de um processo de pesquisa que resultou na montagem dos textos O Santo e a Porca, de Ariano Suassuna, O Cocô do Cavalo do Bandido, de Chico de Assis e Oração para um pé de chinelo, de Plínio Marcos. Os Espetáculos se apresentaram na Cidade de São José dos Campos e outras cidades do Vale do Paraíba, sempre em temporadas populares. A peça Oração para um pé de chinelo participou dos Festivais de Teatro de São José do Rio Preto e Blumenau, Santa Barbara entre outros e fez temporada no Centro Cultural São Paulo.

1998 – O Início: O Teatro Kaus Cia Experimental foi criado em dezembro 1998 pelo Diretor Reginaldo Nascimento e pela atriz e Jornalista Amália Pereira. A Cia nasceu pela necessidade de aprofundar estudos no concernente ao trabalho do ator, a partir inicialmente do estudo da dramaturgia brasileira e com temática social, o Grupo se dedica a investigar um teatro que transcenda o Realismo na cena teatral. O projeto de criação do grupo teve início em 1996, em São José dos Campos após a montagem do texto Homens de Papel, de Plínio Marcos. A partir deste trabalho, munido da necessidade de concepção de um teatro que ‘respirasse com o ator’ e que, a troca fosse tão intensa que causasse a reflexão, surgiu a linha de estudos do Teatro Kaus Cia Experimental. Durante o ano de 1999 o grupo encenou Vereda da Salvação, de Jorge Andrade e Elogio da Loucura, de Erasmo de Rotterdan, exercícios com parceiros e convidados, para encontramos os caminhos do grupo.